Devo fazer pesquisa de mercado?

Antes de responder se as empresas deveriam fazer pesquisa de mercado, caberia uma reflexão sobre a seguinte realidade brasileira: mais de 71% das novas empresas fecham ao longo dos cinco primeiros anos! Por outro lado, o entendimento de “caro” pode ser o de:
• Investir em equipamentos, matéria prima, embalagem, contratações, registros, advogado, contador, recursos humanos e não ter o retorno esperado.
• Aplicar capital próprio ou de terceiros para depois de alguns meses “descobrir” que não existe mercado para o produto!
• Gastar com projeto, decoração, aluguel, reforma, estoque, publicidade, marketing e só então chegar à conclusão que o perfil da clientela que tem acesso ao ponto de venda escolhido não é o de renda compatível para consumir os serviços oferecidos!

O conceito de “caro” é, portanto, bastante subjetivo e não poderia ser analisado apenas em valores absolutos! Todas estas situações são exemplos que, num grande número de vezes, explicam o elevado percentual de empreendimentos que não conseguem sobreviver nem se consolidar.

Mas também demonstram como a pesquisa poderia orientar as tomadas de decisões dos empresários que envolvessem risco.

Não existe ainda a consciência de que as pesquisas são realizadas para se diminuir os riscos dos negócios, para se eliminar o “achismo” (acho que vai dar certo, acho que vai vender, acho que o consumidor vai querer comprar, acho que tem mercado, acho que vai ser legal…) e para se testar hipóteses!

O aspecto a ser considerado na questão “pesquisa de mercado é caro?” É sempre: qual a relação entre o custo da pesquisa necessária vis-à-vis o montante que se pretende investir? Ou seja, se o empreendimento em vista demandar um determinado volume de recursos, até que percentual deste valor deveria ser direcionado para pesquisa de modo a diminuir as incertezas?

Ninguém faz uma pesquisa só porque é interessante, chique ou está na moda!

As pesquisas de mercado existem e são desenvolvidas para responder a questionamentos objetivos, esclarecer dúvidas que envolvam riscos, orientar quanto a estratégias e posicionamentos, sustentar tomadas de decisões, enfim para auxiliar as empresas a crescerem, projetos a serem realizados e ideias transformadas em resultados!

As pesquisas sérias consideram os dados coletados do passado, monitoram as informações do presente e sinalizam as tendências e direções do futuro.

Só que, para processar de forma adequada todo este conjunto de números e indicadores é preciso experiência, conhecimento acumulado e muito, muito estudo e análise. Mas isso já seria parte de um outro tema, objeto do próximo artigo, sobre os critérios mais adequados para realizar a escolha de uma empresa de pesquisa.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts relacionados

cliente

Perspectivas para o uso das expressões faciais

Expressões Faciais O rosto humano (expressões faciais) consiste de um vasto panorama em constante movimento do que se passa no nosso mais íntimo estado de espírito, com uma diversidade considerável de nuances e uma grande Read more…

cliente

Pré-Teste de Campanha

Pré-Teste de Campanha – Uma nova abordagem Um dos tipos de pesquisas qualitativas que a Checon mais tem realizado, nesses seus 25 anos de atuação no mercado, são os pré-testes de campanhas publicitárias, sejam de Read more…

neuromarketing

Lealdade à marca e o neuromarketing

O significado e a abrangência do que seja ‘ lealdade ’ têm passado por consideráveis mudanças, a exemplo da maior parte das ideias e premissas com que estávamos acostumados com o advento da era digital. Read more…